About My Dog

É engraçado… Lembro-me de, há quase 15 anos atrás, receber um telefone dos meus pais. Eu estava na casa de uma amiga, então com 11 anos de idade e sem conhecer o que era ter um carinho como o seu.

  • Tem uma pessoa aqui em casa te esperando.

Foi o que me disseram. Pensei numa visita, num amigo humano, em alguém que eu quisesse conhecer. Nunca imaginei que seria um ser peludo, de quatro patas e que viria a se tornar minha melhor amiga.

Abri a porta, ninguém. De repente, do fim do corredor, minha mãe te solta e você vem correndo para os meus braços. Você veio de outra família, era insegura e sabia “abraçar”, pois tinha medo do nosso colo.

Com o tempo você foi pegando confiança, foi se apegando e se esqueceu de seu antigo lar, preferia estar conosco, brincar comigo, me fazer companhia e dormir em meus pés. Destruiu muitos móveis, capas de CDS, chinelos e me deixou algumas marcas em muitas brincadeiras. E mesmo assim, continuamos te amando.

É engraçado lembrar das vezes que te contei segredos, das vezes que me viu chorar, das vezes que não conseguia parar de lamber meus olhos e de quando fez xixi fora do lugar. De quando levava bronca e queria nos agradar em seguida.

A primeira vez em que se escondeu embaixo da geladeira e eu fiquei procurando pelo apartamento todo, chamei a vizinha, achando que você tinha fugido sabia-se Deus lá por onde. De quando o pedreiro deixou você fugir e o Vinícius (GRAÇAS A DEUS) olhou pela janela e te viu do outro lado da rua passeando sozinha e resolveu descer pra ver o cão de raça.

Às vezes em que comeu o cabelo da minha amiga Renata, a mesma em que eu estava na casa no dia em que você chegou, das vezes que mordeu meus amigos. Você sempre mordia todo mundo. Acho que já mordeu todos os meus amigos.

Pausa.

Precisei recuperar um pouco o ar, pois é difícil pensar que tudo isso aconteceu e que agora posso te perder.

A cada ida ao veterinário, é uma parte do meu coração que se despedaça. Eu sei que você não pode ficar para sempre conosco, mas acho muito injusto sua vida ser mais curta.

Uma vida de amor incondicional, sem pedir nada em troca.

Uma vida de dedicação.

A verdade é que não importa o que aconteça, eu nunca vou te dar adeus.

É certo que vou te encontrar num lugar melhor, até o papa disse que os cães tem alma! rs

O fato é que eu te amo e agradeço por ainda estar aqui, e quando se for, que seja para não sofrer.

Eu posso não ter escrito um livro como Marley & Eu, mas nossa história é tão linda quanto.

I love you.

DEIXE UM COMENTÁRIO