Unprotected

Eu tinha três anos quando ele quebrou alguma coisa em casa pela primeira vez. Foi um relógio de parede. Quebrou com o próprio punho e a mão sangrou bastante. Mamãe começou a chorar e eu quis abraçá-la, mas ela não deixou que eu me aproximasse. Mandou eu ir para o meu quarto rápido.

Nunca havia visto papai bravo daquele jeito. ele estava muito nervoso e fora de controle. Depois disso, aquilo se tornou praticamente rotina. Papai estava sempre nervoso e mamãe sempre ausente.

Um dia a tarde, quando eu tinha quatro anos, papai chegou mais cedo em casa com uma mulher, muito bonita. Ela brincou comigo e passou a mão na minha cabeça. Era estranho papai estar em casa a tarde. Ele sempre trabalhava muito… Achei que era para ficar comigo, mas não. Ele me deixou com a Naná, a minha babá, e subiu com a moça para o segundo andar.

Na hora de eu tomar banho, enquanto Naná preparava minha banheira (eu sempre gostei muito de banho de banheira), fui ao corredor e vi uma porta entreaberta. Olhei lá dentro e vi papai e a tal moça pelados! Me assustei. Até hoje não sei o que aquilo significava, mas sabia que para eu nascer, papai e mamãe ficaram daquele jeito (já tinha ouvido falar) e fiquei imaginando se um outro bebê não apareceria em breve, um irmãozinho? Mas isso nunca aconteceu.

Desde então, percebi que ninguém em casa queria falar sobre o que estava acontecendo. E eu me sentia sozinho e não achava que eles pensassem ou se preocupassem comigo.

Hoje, mamãe veio falar que eles estão se separando e, em seguida, veio papai conversar comigo sobre o divórcio… Mas… E eu?

Ninguém me perguntou como eu me sinto sobre isso. E ninguém pensou que isso poderia acontecer antes de me ter? Será que eles não se amavam o suficiente? Lembrei então de uma menina do 1º ano B… Ela é filha de pais separados. Ela não me parece feliz…

Eu sempre ouvi que se eu fosse um bom menino Deus ia gostar de mim e me dar coisas boas. Então isso quer dizer que eu tenho sido um menino mau? E eu sempre achei que meus pais eram como super heróis e agora os acho vilões. E não importa com qual deles eu escolha ficar. Vou continuar morando com o inimigo. Quem irá me proteger a partir de agora?

DEIXE UM COMENTÁRIO